MÊDA 100 MARATHON 2019

Mêda recebe duelo de gigantes

A Meda100 UCI Marathon Series é a única prova portuguesa que integra o calendário do principal circuito mundial de maratonas btt. É o quinto consecutivo que recebe a confiança da UCI.

É já no próximo domingo, dia 27 de outubro, que o concelho de Mêda, em pleno planalto beirão, se transforma, uma vez mais, no palco para a discussão de uma prova internacional de btt.

A edição 2019 da Meda100 UCI Marathon Series é organizada pelo Município de Mêda e pelo Mozinho Racing Team e disputada sob a égide da UCI – União Ciclista Internacional, entidade que tutela a modalidade a nível mundial e que, uma vez mais, integrou o evento português entre as provas do mais importante circuito mundial de maratonas btt.

O nível qualitativo da lista de inscritos é enorme, apresentando corredores de França, Bélgica, Roménia, Noruega, Espanha, Brasil e Portugal, que vão elevar a fasquia competitiva da corrida.

A prova internacional masculina terá uma extensão de 95,2 kms, por entre montes, vales e vinhas do concelho medense, num constante sobe e desce, que exige o máximo dos corredores.

Da Bélgica vem um dos principais favoritos ao triunfo final na corrida internacional masculina. Frans Claes já saboreou várias presenças no pódio da prova medense e é, regularmente, um dos ciclistas que luta pelo top 10 do ranking mundial.

Vai medir forças com uma forte armada espanhola, que incluiu Javier Busto, Jorge Padrones, Pedro Villalon, Alberto Alanis, Jacobo Ucha, Trujillo Hernandez, António Casal Rey,  Juan Jose Alvarez e Josep Nadal.

Já de França, apresentam-se à luta Maxime Saonit, Dominique Bercaits e Thibault Sabatier.

A defender a honra lusitana, estarão à partida nomes como os de Pedro Militão, Bruno Sancho, Micael Isidoro, Davide Machado e Filipe Tomás.

Destaque para a primeira participação de sempre de um corredor brasileiro. Ney Marinho trás as cores das terras de Vera Cruz até Mêda.

Estão reunidas as condições ideais para um duelo épico em Mêda, entre os “craques” masculinos.

A prova UCI para as atletas femininas apresenta uma extensão de 78,2 kms. Revela-se, como habitualmente, um “osso duro de roer” para as corredoras que se apresentam em Mêda para lutar pelos pontos e pelo prémio.

A estoniana Maaris Meier apresenta-se como favorita, tendo como principais opositoras a norueguesa Marianne Bergli e as portuguesas Flávia Lopes e Raquel Marques, numa prova em que a capacidade de lidar com um percurso longo e duro, será decisiva.

O Meda100 UCI Marathon Series integra ainda uma prova para corredores não federados, incluídos na categoria OPEN e que disputarão, consoante a sua inscrição, dois percursos diferentes: um de 78,2 kms e o outro com 45,6.

A partida, que será em massa, está aprazada para as 9.30 da manhã de domingo, em pleno coração da cidade de Mêda.

COMUNICADO

A Comissão Organizadora da MEDA 100 PORTUGAL RACE, prova integrante do calendário mundial da UCI Marathon Series, informa que a edição 2019 será realizada nos dias 26 e 27 de Outubro.

Esta mudança prende-se com a necessidade de assegurar as condições logísticas ideias.
O regulamento com as alterações esrá disponível no site oficial. As inscrições abrirão a 12 de Agosto, pelas 0.00 horas.
A Comissão Organizadora agradece profundamente à UCI e à Câmara Municipal de Mêda, na pessoa do seu presidente. Prof. Anselmo de Sousa, todo o apoio prestado neste processo.

O Presidente da Comissão Organizadora
Joaquim Amândio Santos

Robbert Nijs e Charlotte Davies dominam em Mêda

O Município de Mêda recebeu pelo quarto ano consecutivo, o circuito mundial UCI Marathon Series, escalão máximo mundial para as maratonas btt.

O Concelho de Mêda está instalado em pleno planalto beirão e é rico em história, ostentando as suas raízes templárias, sendo ainda berço do famoso vinho do Douro, vendo as suas paisagens marcadas pelos sulcos vinhateiros.Para o Município, o evento assume-se como fundamental para a promoção do concelho e da região.

A Meda100UCI Marathon Series, prova organizada pelo Mozinho Racing Team, correspondeu também ao arranque da fase nacional da Taça de Portugal de XCM.

100 longos e desafiantes quilómetros esperavam os atletas da categoria UCI Elite Men a que se juntavam os escalões master masculinos até aos 49 anos. As atletas UCI Elite Women  bem como as master femininas e os masr masculinos 50, 55 e 60, tinham 87 pela frente. Este era também o percurso para o Paraciclismo D, enquanto os paratletas da Categoria C faziam 45 quilómetros.

Entre os favoritos, duas quedas e uma avaria mecânica, afastaram da luta pelo triunfo David Vaz, Renato Ferreira e Ruben Almeida.

Na frente, a luta pela vitória integrou, na fase decisiva, o holandês Robbert Nijs (Intal-Torq Mtb Racing Team) e os portugueses Bruno Sancho (Korpo Activo Btt/Udl-União Desp.Lorvanen) e Andrew Henriques (BTT Loulé/Elevis) que se isolaram dos demais na já mítica longa e dura subida final até à meta.

Com um forte ataque, Robbert Nijs conseguiu deixar para trás os restantes membros da frente de corrida nas duas centenas de metros finais e levantou os braços na meta com apenas 9 segundos de vantagem sobre Bruno Sancho, com Andrew Henriques a chegar a apenas 15 segundos do holandês.

Um final verdadeiramente emocionante que levou o holandês à sua primeira vitória em provas desta categoria e à subida ao primeiro lugar do ranking mundial.

Para Bruno Sancho, antigo profissional de estrada, foi uma estreia de sonho em Mêda, coroada com o 2º lugar e a posição de melhor português.

No sector feminino, assistiu-se a um recital de Charlotte Davies.

A atleta do País de Gales, que defende as cores do BTT Loulé/Elevis, cedo se isolou e, a partir da primeira zona técnica, instalada ao quilómetro 22 na aldeia templária de Ranhados, foi aumentando a sua vantagem que, no final dos 87 quilómetros, foi superior a 11 minutos.

Ilda Pereira, de regresso às competições em território nacional, esteve ao mais alto nível. A atleta do Casa Mizé Team fez uma corrida de trás para a frente e chegou a um merecido 2º lugar da geral.

Atrás de si, a campeão nacional Celina Carpinteiro (BTT Loulé/Elevis) cruzava a linha de meta em terceiro, a catorze minutos e meio da vencedora.

Nos Master 30, José Lourenço (Spac BTT) venceu. José Pacheco foi segundo e Michel Machado (Vasconha BTT Vouzela) assegurou a terceira posição.

Quantos aos Master 35, superioridade de José Batista do BTT Seia. Foi ladeado no pódio por Carlos Ramos (Accm Btteam) e Pedro Pereira (Bttgardunha/Fundão/J3lp/Create By Jf Peças).

Já na categoria Master 40, a vitória foi para Luís Coelho do Btt Seia. Pedro Dias, com as cores do Spac BTT, foi 2º e Rogério Silva (Trilho Perdido Eventos, Socimaster) assegurou o 3º posto.

Nos Master 45, triunfou António Marques, em representação do Transfor-Fatimabtt. João Gomes (Assoc. 20Kms Almeirim/Restaurante O Forno) e Carlos Soares (Saertex Portugal / Edaetech) completaram o pódio.

A estrear-se na categoria Master 50, José Rosa (Ser e Parecer Pro Team) continua muito forte e voltou a vencer. O Individual Joaquim Bica foi segundo e Fernando Gonçalves levou as cores do 360ºbike Trail/Mundimat/Cca Paio Pires ao 3º posto.

António Prates (Craks Do Pedal – Coruche) foi o mais forte na categoria Master 55. A representar o Clube Btt Águeda/ Fundiven, Abílio Moreira concluiu em 2º, enquanto Joaquim Sá (Bombos S. Sebastião/Monçãobike/Lusomotor) concluía a prova no 3º posto.

Entre os Master 60, Manuel Pinto (Saertex Portugal/Edeatech) foi o mais forte. Carlos Cabrita e Rens Grevenstuk, ambos do BTT Loulé/Elevis, asseguraram os restantes lugares do pódio.

Nas Master 30 feminina Nadia Mendes a representar o Transfor Fátima BTT triunfou, na frente de Andreia Freitas do BTT Loulé/Elevis e da individual Melissa Maia

Entre as Master 40, domínio da espanhola Ana Gonzales, a correr com as cores da Extol-La Gramola Team. Filomena Paulo, do Róódinhas / Santos Silva, foi segunda e a melhor portuguesa na categoria. O pódio ficou completo com Clara Prazeres, que colocou as cores do Trilho Perdido Eventos, Socimaster no 3º lugar.

No Paraciclismo, Gil Pereira do Batotas/Ponte de Lima venceu a Categoria C na frente de João Monteiro, a defender as cores do Mozinho RT Martos Pellets, enquanto Hélder Maximino (360ºbike Trail/Mundimat/Cca Paio Pires) assegurava a terceira posição e o último degrau no pódio.

Na Categoria D, venceu Tiago Craveiro, que foi o único a concluir a prova.

Coletivamente o BTT Loulé/Elevis venceu na Categoria Elites, sendo secundado pelas formações do BTT Seia e da Saertex Portugal Edeatech.

Entre os masters, a equipa mais forte foi a do Transfor Fátima BTT.A formação do BTT Loulé elevis assegurou o 2º lugar e a Saertex Portugal Edeatech a terceira posição.

No rescaldo, era geral o aplauso ao nível competitivo da prova e ao trabalho da organização que manteve um nível que justifica a presença da prova entre a elite mundial.

Caiu assim o pano sobre a edição 2018 da Meda100 UCI Marathon Series. Dureza e espetacularidade marcaram uma prova que, ano após ano, se torna cada vez mais mítica e única no panorama nacional.